Futebol Feminino Brasil – Você acha que mulher não joga bola?

Eu jogava futebol e eu sempre ouvia coisas assim: “chuta que nem homem!” quando fui crescendo, comecei a perceber as coisas mais graves “aff ela é menina, vai jogar com a gente??”

Eu ficava: quem foi babaca que inventou que mulher não pode jogar futebol?

Conheça um pouco do futebol feminino hoje

O primeiro contato que eu tive com o futebol feminino, em um trabalho de campo, foi com uma equipe de futebol feminino profissional de Foz do Iguaçu. Na conversa que eu tive com essas mulheres ao longo do meu mestrado eu comecei a perceber como a cidade de São Paulo e o estado eram centrais para o futebol feminino no Brasil.

Então, eu vim pra cá, passei no doutorado e fiz a minha pesquisa em cinco equipes de futebol de base na cidade de São Paulo, 5 equipes: duas da zona leste, uma zona oeste, uma na zona norte, e outra na zona sul.

Eu vi uma professora, numa mesa sobre gênero e esporte, comentando assim: “porque futebol feminino foi proibido no Brasil” eu: “futebol feminino foi proibido no Brasil?” e aí eu vi que não tinha muita coisa sobre isso, tinha vários trabalhos que citavam esse fato, mas nenhum que tivesse desenvolvido sobre isso.

O meu projeto de mestrado eu escrevi pensando nisso, como é que o futebol feminino era retratado na imprensa durante o período da proibição, particularmente nos anos da Ditadura Militar.

A gente tem uma lei que foi promulgada no dia 14 de abril de 1941 que proibia as mulheres de praticar esportes incompatíveis com sua natureza, simbolizava de alguma maneira natureza questões como maternidade, fragilidade, tudo isso estaria então intrínseco à mulher brasileira.

Mas é claro que a gente teve mulheres jogando futebol nessa época, só que não de uma maneira vamos dizer assim oficial, nem profissional. Tem uma casa de espetáculos em São Paulo “A Casa do Ator” que queria fazer um jogo no Pacaembu, e aí o Conselho Nacional de Desportos entra com mandado de segurança e fala que não pode ter jogo, colocar mulheres para jogar futebol num estádio? Futebol de mulheres é proibido no Brasil.

Brasil futebol feminino

E aí eles vão falar que a gente vai pegar verba vai doar para o retiro dos velhos artistas, é um jogo beneficente então é tipo um espetáculo, então vamos jogar na categoria do circense, inclusive é um termo que se usa muito, o futebol de circo, futebol circense.

Com todas essas mulheres jogando, com o futebol crescendo, em 1979, a gente tem o fim da proibição do futebol de mulheres no Brasil A deliberação número 10 de 79, ela diz assim: está revogada a deliberação número 7 de 1965, às mulheres estão permitidas as modalidades que fossem regulamentadas pela entidade internacional, no caso do futebol a FIFA não tinha regulamentado ainda, então o judô, os esportes que poderiam eventualmente ganhar um título internacional para o Brasil, ajudar nesse ufanismo, esses estão permitidos, o futebol não Em 83, a CBF passa uma deliberação, e passa a ser reconhecido com regras, como um esporte.

Existe algum motivo que possa impedir a mulher de praticar futebol?

Tem três tipos de violência que circula o futebol das mulheres atualmente, acho que desde sempre, desde o começo. O primeiro pelo fato de serem mulheres a gente tem uma questão de machismo e misoginia que atravessa muito forte: “a mulher sabe chutar”, “a mulher não sabe”.

“A gente tem a questão da homofobia, da lesbofobia: “a mulher que joga futebol é tudo sapatão” algumas são, algumas não, e tudo bem, como em tudo na nossa sociedade, as sexualidades são diversas e inimagináveis, e não é da conta de ninguém o que as pessoas fazem no seu âmbito privado.

E uma que não é exclusiva ao futebol feminino, mas também tem no masculino que é o racismo. A gente tem casos clássicos de racismo no futebol dos homens, e a gente também tem casos clássicos de racismo no futebol das mulheres, só que não aparecem porque a mídia não tá lá filmando, passando, transmitindo o jogo, mas está acontecendo também.

Vamos pensar que o futebol feminino no país tem 30 anos, 40 anos não chega há tanto, então a gente ainda tem um longo percurso para caminhar Nesse momento de visibilidade que a Copa proporciona, ela pode trazer bons frutos para o futebol feminino, eu acho que em escala não só global, mas bastante regional.

O olhar que nós temos como sociedade para o futebol feminino está muito relacionado ao olhar que nós temos para as mulheres e para o que é adequado ou inadequado para as mulheres Eu não sei se esse movimento que a gente tem hoje se ele vai acabar quando a Marta se aposentar, ou se ele vai continuar crescendo.

Foi o que ela disse: não vai ter Marta, Formiga e Cristiane para sempre, o que vocês vão fazer?

Greent

Editor-chefe do Botafogo Defesa Futebol Clube. Sou apaixonado pelo meu time Botafogo e criei esse blog para compartilhar informações e novidades sobre o Glorioso Botafogo. Indico seguir nas redes sociais: https://www.facebook.com/botafogodefesa/ - https://twitter.com/BotafogoDf2